sábado, 19 de maio de 2012

Gastar Tempo com o REI!

Jesus viveu Sua vida na terra totalmente dependente do Pai celestial.
Nosso Salvador não fazia nada, e não dizia nada enquanto não consultasse o Pai na glória. E Ele não realizou nenhum milagre exceto aqueles que o Pai O instruiu a fazer. Ele declarou: "Falo como o Pai me ensinou. E... (o Pai) não me deixou só, porque eu faço sempre o que lhe agrada" (João 8:29-29).

Cristo deixa bem claro: Ele era diariamente conduzido pelo Pai. E Sua prática de total dependência, sempre ouvindo a voz do Pai, fazia parte de Seu caminhar diário. Vemos isso em uma cena do evangelho de João. Em um sábado, Jesus estava andando perto do tanque de Betesda quando viu um homem paralítico deitado em um leito. Cristo dirigindo-se para o homem, lhe ordenou que pegasse a cama e andasse. Imediatamente o homem foi curado. Ele saiu andando curado.
Os líderes judeus ficaram enfurecidos com isso. Em suas mentes, Jesus havia violado o sábado curando aquele homem. Mas Cristo respondeu, “Eu somente fiz o que Meu Pai me disse para fazer.” Ele explicou, “ Meu Pai trabalha até agora, e eu trabalho também ... o Filho nada pode fazer de si mesmo, senão somente aquilo que vir fazer o Pai; porque tudo o que este fizer, o Filho também semelhantemente o faz. Porque o Pai ama ao Filho, e lhe mostra tudo o que faz” (João 5:17-20).

Jesus declarou mui simplesmente: “ Meu Pai me ensinou tudo o que devo fazer”. Você pode perguntar: quando exatamente Deus mostrou a Cristo o que fazer? Quando Jesus viu Deus fazendo milagres? Quando o Pai falou para Jesus tudo o que devia dizer e fazer?
Será que tudo isso aconteceu na glória, antes de Cristo vir na terra? Será que os dois sentaram-se juntos antes da criação e traçaram cada dia da vida de Jesus? Será que o Pai falou ao Filho, “no segundo sábado do sexto mês judaíco, você estará andando perto do poço de Betesda. Você encontrará um homem paralítico. Ordene àquele homem que levante e ande” ?

Se tivesse sido assim, nenhum de nós poderia se identificar com isso. Tal acordo não teria relevância para nosso andar diário com o Senhor. Mesmo assim, sabemos que Jesus veio para dar-nos um padrão para seguirmos. Afinal de contas, Ele veio à terra para experimentar tudo que fazemos, sentindo todos os nossos sentimentos, e sendo tocado com nossas dores e enfermidades. Em troca, devemos viver como Ele viveu, andar como Ele andou.
O fato é que Jesus, em Sua carne, tinha que contar com o trabalho interior diário da voz do Pai. Ele tinha que ser dependente do Pai em todo o tempo, a fim de ouvir Sua voz Lhe dirigindo. De outra maneira, Cristo simplesmente não poderia ter feito as coisas que fez. Jesus tinha de ouvir a voz do Pai a cada hora, a cada milagre, dia após dia.

Como era Jesus capaz de ouvir a calma e suave voz do Pai? A Bíblia mostra que acontecia através da oração. Vez por outra, Jesus ia para um lugar solitário para orar. Ele aprendeu a ouvir a voz do Pai enquanto estava de joelhos. E o Pai era fiel para Lhe mostrar tudo o que fazer e dizer.

Imagine Jesus encarando uma grande decisão, tal como a escolha de Seus discípulos. Como o Senhor escolheu os doze dentro da vasta multidão que O seguia? Tinha que ser uma decisão importante. Afinal de contas esses discípulos formariam os pilares de Sua igreja neo-testamentária. Será que o Pai Lhe deu os nomes dos doze enquanto Jesus estava ainda na glória? Se foi assim, então por que Jesus passou uma noite inteira em oração antes de nomeá-los?
Lucas nos conta, “Retirou-se para o monte, a fim de orar, e passou a noite orando a Deus” (Lucas 6:12). Na manhã seguinte, Jesus chamou os doze. Como Ele os conhecia? O Pai os havia revelado a Ele na noite anterior.

Além disso, na mesma noite, o Pai deu a Seu Filho as bem-aventuranças, aqueles ditos do Sermão do Monte: “Bem-aventurados os pobres.... bem-aventurados os que choram... Não julgueis...” (veja Mateus 5-7). Jesus tinha recebido tudo aquilo direto do coração do Pai.
Era nessas horas sozinho com o Pai que Cristo ouvia Sua voz falar. De fato, Jesus recebia cada palavra de encorajamento, cada aviso profético, enquanto orava. Ele pedia ao Pai, Lhe adorava e se submetia à Sua vontade.
E depois de cada milagre, cada ensinamento, cada confronto com um fariseu, Jesus corria de volta para a comunhão com Seu Pai.

Jesus Gastava Tempo Diariamente com o Pai e você?
Vamos gastar tempo com o Rei também?

Nenhum comentário:

Postar um comentário